COB acredita que Brasil terá em Tóquio desempenho similar à Rio2016

0
100


O Comitê Olímpico do Brasil (COB) acredita que os atletas brasileiros podem conquistar um número de medalhas nos Jogos Olímpicos de Tóquio próximo ao desempenho da Rio 2016. Na última edição dos Jogos, o Brasil ficou em  13º lugar, com 19 medalhas, sendo 7 de ouro. A estimativa é do vice-presidente do  COB, Marco Antônio La Porta, que também será chefe da Missão Olímpica do Brasil em Tóquio.

La Porta explicou que o COB havia definido que não ia estabelecer uma meta de número de medalhas para Tóquio 2020, para não colocar uma pressão desnecessária nos atletas. Antes da pandemia, pelos resultados, ele diz que a expectativa era se aproximar e talvez superar os resultados da Rio 2016.

“Com a pandemia, a gente ficou um pouco sem referência, porque as competições pararam, a gente não tem o contato com os outros atletas, o confronto com os outros atletas, [não sabíamos] como estão os atletas dos outros países. Com a retomada das competições a gente tem visto alguns bons resultados que nos têm alegrado bastante, a gente percebeu o quanto foi importante aquela Missão Europa [que levou mais de 200 atletas para treinar na Europa em 2020] que nós fizemos. A gente entende hoje, tem uma convicção, de que vamos chegar muito próximo do número de medalhas [da Rio 2016], mas decidimos não estabelecer nenhuma meta para os atletas”, disse o vice-presidente.

La Porta participou nesta segunda-feira (31) do programa Sem Censura, da TV Brasil, e falou também sobre temas como a preparação para adaptação dos atletas com fuso e alimentação em Tóquio, infraestrutura para o transporte do equipamento e o porque do Brasil não ser uma potência esportiva.

O vice-presidente Brasil disse que este é o ciclo olímpico mais desafiador da história do país. “A gente estava no ano passado com a preparação a toda e fomos surpreendidos, o mundo inteiro foi, com a pandemia”, explicou. “Houve um impacto muito importante no atleta, na questão psicológica. Você imagina um atleta que se prepara quatro anos, está nas portas dos Jogos e os Jogos simplesmente são adiados.”

La Porta citou que os atletas ficaram até três meses sem condições de treinar e o COB disponibilizou uma equipe de psicólogos do comitê olímpico para dar um suporte durante esse período. “A partir do momento que começaram a reabrir as fronteiras da Europa, os centros de treinamento começaram a retornar, nós fizemos a Missão Europa, levamos mais de 200 atletas para treinar na Europa. O Brasil naquela oportunidade não oferecia condições. A assim a gente conseguiu retomar a preparação”, disse. 

O vice-presidente disse que o Comitê Olímpico Internacional assegurou que os Jogos Olímpicos vão ocorrer, garantia dada também pelo Comitê Organizador. “Estamos preparando a missão com um grande desafio, que é proporcionar ao atleta que ele tenha a melhor performance possível ao mesmo tempo com segurança, principalmente para a sua saúde. A gente criou vários protocolos de testagem antes da viagem, testagem durante o Japão, de forma que a gente tenha o maior controle possível sobre o atleta”, disse.

Veja a íntegra da entrevista:



Source link

Deixe uma resposta