- PUBLICIDADE -
Google search engine
- PUBLICIDADE -
- PUBLICIDADE -spot_img
Inícioultimas noticiasPra Ter Onde Morar- Aluguel Social alcança 13 mil famílias no 4ª...

Pra Ter Onde Morar- Aluguel Social alcança 13 mil famílias no 4ª edição do Mutirão Governo de Goiás


Mayara Lorrane Ramos, moradora do Parque Eldorado Oeste, na saída para Trindade, é beneficiada com cartão do programa Pra Ter Onde Morar – Aluguel Social durante 4ª edição do Mutirão Governo de Goiás (Fotos: Wesley Costa)

A 4ª edição do Mutirão Governo de Goiás, iniciada neste sábado (9/4), no cruzamento das avenidas Firenze e Cremona, no Jardim Abaporu, movimentou a região Leste de Goiânia com uma série de serviços destinados à população de 47 bairros da capital e outros seis de Senador Canedo. Neste domingo (10/4), o evento continua, das 8h às 12h. Mas logo no primeiro dia, a gestão do Estado, por meio da Agência Goiana de Habitação (Agehab), conseguiu alcançar a marca de 13 mil famílias beneficiadas com o programa Pra Ter Onde Morar – Aluguel Social.

A agência convocou mil moradores de Goiânia para a entrega do cartão do programa. A política pública de habitação, criada no final de novembro do ano passado, oferece auxílio mensal de R$ 350, por 18 meses, para famílias em situação de vulnerabilidade econômica e que não tenham moradia própria.

Mãe de duas crianças, Mayara Lorrane Ramos, moradora do Parque Eldorado Oeste, na saída para Trindade, recebeu o benefício. “Vai me ajudar demais. Moro apenas com meus filhos e estou desempregada no momento. Então vai ser uma salvação”, explicou ela, que ressaltou ainda a facilidade para ingressar no programa. “Fiz a inscrição em dezembro, soube pela televisão. Fiquei esperando, entraram em contato comigo para enviar os documentos e consegui fazer a escritura, tudo tranquilo. O processo foi bem fácil”, contou.

O Pra Ter Onde Morar – Aluguel Social já chegou a 43 municípios em diferentes fases de execução e segue em expansão. A meta do Governo de Goiás é chegar a, pelo menos, 30 mil beneficiários. As inscrições continuam abertas em várias cidades e podem ser feitas pelo site www.agehab.go.gov.br.

“A marca de 13 mil famílias alcançadas mostra o acerto e o sucesso deste programa. Nós queremos dobrar ainda esta capacidade de atendimento. É uma coisa calculada. Sabemos da necessidade, do déficit habitacional. Relatos das pessoas aqui nos emocionam. Histórias belíssimas, que demonstram o quanto o auxílio tem transformado famílias”, frisou o presidente da Agehab, Pedro Sales.

Também durante a programação do Mutirão, outras mil famílias foram chamadas para atendimentos de regularização fundiária, como entrega e coleta de assinaturas para a documentação. Tudo é realizado de forma gratuita. “É um rol de serviços extremamente amplo que a população pode ver aqui”, salientou o secretário-geral de Governo, Adriano da Rocha Lima.

Mais ações

Até o fim do evento, neste domingo (10/4), a Secretaria de Estado da Retomada oferece 4 mil oportunidades de emprego. Para algumas funções, o salário chega a R$ 6 mil. Já a Secretaria de Estado de Desenvolvimento e Inovação (Sedi) disponibiliza, por meio das Escolas do Futuro do Estado de Goiás (EFG), mais de 3,7 mil vagas em cursos de capacitação profissional.

Os visitantes também podem realizar cadastro na Organização das Voluntárias de Goiás (OVG) para ter acesso a donativos. Magnólia Ferreira Marques, de 46 anos, é moradora do Recanto das Minas Gerais, próximo ao espaço do Mutirão, e conseguiu fraldas descartáveis, além de cadeiras de rodas padrão e higiênica para a mãe de 81 anos, acamada há 10 após sofrer um acidente vascular cerebral (AVC). “Vai ajudar bastante. Para locomovê-la, tenho que carregá-la nos braços. Vivo com salário mínimo e de doações. Se não fosse este Mutirão, acho que não pegaria nada. Não tem como deixá-la sozinha. Aqui, venho rápido e já volto para casa”, explicou ela.

Ainda no estande da OVG, a distribuição de latas de leite especial tipo Nan 2, trouxe mais tranquilidade para a jovem Yasmim Barros, moradora do Recanto das Minas Gerais e mãe do pequeno Pietro, de apenas seis meses. A criança nasceu prematura e Yasmim não tinha leite suficiente para alimentá-la. Foi a primeira vez que conseguiu o mantimento gratuitamente. “Antes, eu estava pagando R$ 25 por lata. Uso umas oito por mês. Vai me ajudar muito. É a primeira vez e já me valeu tanto”, celebrou.

No estande da OVG, a jovem Yasmim Barros, mãe do pequeno Pietro, de apenas seis meses, recebe leite especial tipo Nan 2 durante o Mutirão

O estande da saúde oferece consultas e diversos exames. Estão disponíveis atendimentos oftalmológicos, ultrassonografia, ecocardiografia e eletrocardiografia. Será possível ainda se imunizar contra a Covid-19 e a Influenza, dentro da Campanha Nacional de Vacinação, que é reforçada durante o Mutirão.



Source link

Notícias Relacionadas
- PUBLICIDADE -

Últimas Notícias

- PUBLICIDADE -