mais de três décadas dedicadas a zelar pelo meio ambiente – Secretaria de Estado de Segurança Pública

0
64


Adriana Machado, da Ascom – SSP/DF

 

O Distrito Federal dispõe de um batalhão específico para fiscalização e proteção da fauna e flora e também para o combate de crimes de pesca ilegal, desmatamento e queimadas – o Batalhão de Polícia Militar Ambiental (BPMA), da Polícia Militar do DF (PMDF). No próximo dia 10, o BPMA completa 33 anos de criação. Nesse período, tem inovado no formato de atuação e proteção do bioma local.

 

Policiamento no Lago Paranoá é uma das ações empreendidas pelo BPMA | Fotos: Divulgação/PMDF

 

“Somente neste ano, entre janeiro e maio, foram resgatados 1.371 animais pelos policiais, a maioria de manejo de fauna, ou seja, animais resgatados e devolvidos à vida silvestre”, relata o comandante do BPMA, tenente-coronel Fábio Pereira. “Nesse total, também estão incluídos o tráfico e a criação irregular de animais silvestres. Atendemos, ainda, ocorrências de parcelamento irregular do solo, crimes contra a fauna e flora e maus-tratos de animais.”

 

 

1.371animais foram resgatados entre janeiro e maio deste ano

 

 

Os animais resgatados são encaminhados ao Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas), caso estejam em condições saudáveis. Se precisarem de algum tipo de atendimento veterinário, são levados para o Zoológico de Brasília.

 

Os resgates foram realizados por meio de solicitações e têm ocorrido com frequência, por conta do aumento da área urbana. Já as apreensões resultam de ações de combate a crimes, normalmente tráfico interestadual e criação irregular de animais silvestres. “É importante que, caso o cidadão se depare com um animal silvestre em casa ou em qualquer outra área urbana, entre em contato conosco por meio de nossos canais de atendimento, para que possamos resguardar a vida humana e do animal”, orienta o comandante do BPMA. As denúncias sobre crimes ambientais, maus-tratos a animais ou resgates devem ser feitas por meio do telefone 190, da Polícia Militar.

Operações

O BPMA empreende operações sistemáticas para proteção da fauna e flora no DF, além de atuar nas áreas de proteção permanente (APPs) e unidades de conservação, em parceria com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMbio).

 

Rondas no Lago Paranoá são intensificadas durante os fins de semana, quando o movimento é maior

 

“Fazemos barreiras em rodovias, com apoio de outras unidades policiais, como o Batalhão de Policiamento de Trânsito [BPTran], para coibir o tráfico de animais”, explica o tenente-coronel Fábio. “Também atuamos em feiras livres, por meio da Operação Asa Livre, para coibir o comércio ilegal de animais silvestres, em sua maioria aves. Alertamos a população para não fomentar esse tipo de prática, ou seja, não comprar esses animais nesse formato irregular”.

 

Batalhão também atua na fiscalização contra desmatamentos | Foto: CCS/PMDF

 

Outra ação realizada pelo BPMA é a Operação Draga, para coibir a retirada ilegal de areia lavada do fundo de rios. Esse material é comumente utilizado na construção civil.

 

Segurança

A segurança no Lago Paranoá – abrangendo tanto as residências localizadas na orla quanto o espelho d’água, imediações e os próprios banhistas –  é feita pelo BPMA. Aos finais de semana, as rondas ostensivas são intensificadas, pois o número de banhistas é maior. O objetivo, informa o comandante, é evitar acidentes e garantir a segurança dos banhistas.

 

“Nas abordagens realizadas dentro do Lago, quando há confirmação de ingestão de bebida alcoólica pelo piloto, acionamos a Marinha, pois essa é uma infração prevista na lei de segurança do tráfego aquaviário”, pontua. “Eles são os responsáveis pelas autuações e cobrança por documentos de embarcações e autorização para pilotar.”

 

Os policiais também atuam para evitar atropelamentos e coibir a pesca irregular. O policiamento lacustre é feito em pontos como Parque Asa Delta, Península dos Ministros, Pontão do Lago Sul, Prainha, Deck Sul, Deck Norte e Ermida Dom Bosco.

 

Educação ambiental

Também se destaca, entre as ações ambientais empreendidas, o Programa Educacional Lobo Guará, que tem o objetivo de utilizar a educação para prevenção de crimes. O programa possui três frentes: Saber Cerrado – em que são feitas orientações aos visitantes do Parque Nacional de Brasília e também palestras a grupos pré-agendados e de escolas –, o Teatro Lobo Guará – que faz apresentações em escolas públicas e particulares ­– e o curso de Guardiões Ambientais. Assista ao vídeo:

 

 

“A maior parte de nossas atividades está suspensa devido à pandemia, mas temos feito ações pontuais e ações educativas, adotando todas as medidas de segurança sanitária”, informa o coordenador do programa, subtenente Leandro Lima. “Nesta semana, estivemos junto à Embrapa em uma blitz educativa em comemoração ao aniversário de 40 anos da instituição.”

 

Pessoas ou entidades interessadas em solicitar palestras virtuais podem fazê-lo enviando o pedido pelo e-mail loboguara.pmdf@gmail.com. Na mensagem devem ser informados dia, horário e público da palestra e telefone para contato.

 

Edição: Lanna Morais

Fotos e vídeo: CCS/PMDF

 

 



Source link

Deixe uma resposta